terça-feira, 19 de março de 2019

Castro Gonzaga


Arquivo de Som:

Coronel Hathi em Mogli - O Menino Lobo (Longa-Metragem)



Biografia:

Castro Gonzaga foi um dublador Carioca.

Francisco de Paula Gonzaga nasceu em 28 de Fevereiro de 1918 em Cravinhos, São Paulo.

Quando jovem, foi chefe de sessão de vendas de um laboratório em São Paulo.

Rádio Cultura

No início dos anos de 1940, ingressou na Rádio Cultura, aonde trabalhou como rádioator.

Rádio Bandeirantes

Em 1946, já estava fazendo parte do elenco da Rádio Bandeirantes.

Rádio Cultura

Em 1947, tem uma breve passagem pela Rádio Cultura, estreando o programa teatral e a peça Monstros de Olhos Azuis (1947), em 12 de Janeiro do corrente.

Também atuou, entre outros, no programa Teatro de Emoções, de Jota Silvestre.

Rádio Record

Ainda em 1947, tem uma breve passagem também pela Rádio Record.

Rádio Bandeirantes

No mesmo ano, retorna a Rádio Bandeirantes.

Castro Gonzaga (1947)

Em as atrações que atou, está Novela de Todo o Dia (1947), programa que apresentava várias rádionovelas, aonde atuou ao lado de Gessy Fonseca, Alceu Silveira, Zezinho Cútolo, e grande elenco. Também atuou na novela juvenil, O Cavaleiro Fantasma (1947).

Em peças, esteve no programa Cinema Em Seu Lar / Cinema Para Você: de Ivani Ribeiro, atuando em Meu Pecado (1947), Êxtase (1948), entre outras.

Também esteve no programa Teatro Eucalol, nas peças Tudo Por Amor (1948), Lágrimas Benditas (1949), Uma Sombra na Estrela (1949), Sulamita (1949), Eu Acuso o Céu (1949), entre outras.

Além disso, também atuou em peças diversas, como O Filho de Robin Hood (1947).

Um dos programas que mais o tornaram famoso no rádio, foi Teatro dos Mistérios, dirigido por J. Silvestre, no qual permaneceu por um tempo considerável.

Em séries, esteve em O Homem de Aço (1947), inspirada em histórias do Capitão Marvel.

Em programas, esteve no humorístico, Senhores Jurados (1948), e no programa sertanejo, Onde Canta o Sabiá (1949), atuando como redator e protagonista.

Como escritor, foi responsável pelas novelas O Vale Selvagem (1949), e A Volta do Fantasma (1949), entre outros.

Além disso, foi ator da peça A Herança da Tia Beatriz (1946), que escreveu para a inauguração da Rádio Difusora Jundiaiense, ao lado do elenco da Rádio Bandeirantes, convidado para a ocasião.

Rádio Mayrink Veiga

Em 1949, vai para a Rádio Mayrink Veiga, e se torna assistente de Sadi Cabral. Estréia na emissora no dia 4 de Agosto de 1949.

Como ator, esteve no programa Teatro Pelos Ares Plácido Ferreira, em peças como Feliz Ano Novo, Maria (1949), e na novela A Pequena Cruz do Teu Rosário (1950).

Em programas, esteve, entre outros, em Você Me Conhece (1949).

Como escritor, escreveu peças para o programa Teatro Pelos Ares Plácido Ferreira, como Pequeno Engano (1949), Madrasta (1950), A Casa Maldita (1950), e Rainha de Batula (1950).

Além disso também escreveu a peça, Pequeno Engano (1950), e a novela, Celina (1950), entre outros.

Como diretor, esteve a frente do programa infantil, Teatrinho Curumim (1950).

Rádio Tupi (RJ)

Em meados de 1950, vai para a Rádio Tupi do Rio.

Como ator, esteve nas novelas Jussara (1950), O Preço de Uma Vida (1951), Feitiço (1951), Vendaval (1952), Solidão (1952), Dois Destinos Se Encontram (1952), Os Três Segredos de Maria Clara (1952), Uma Vida, Um Segredo (1953), e O Preço de Uma Vida (1953).

Castron Gonzaga (1953)

Em programas humorísticos, fez parte de Rua da Alegria (1951), Semana no Rádio (1951), Desafio Aos Carrancudos (1953), Uma Pulga Atrás da Orelha (1953-54), Este Mundo é Uma Bola (1954), Mundo de Tanga (1954), Mr. Jack, o Recruta (1954), entre outros.

Em programas diversos, esteve em Incrível, Fantástico, Extraordinário (1951), e Música é Sempre Música (1952).

Em séries, atuou em A Lei do Mais Forte (1953).

Em peças teatrais, esteve atuando no programa Teatro Arno, por volta de 1954. No mesmo ano, se torna diretor do programa.

Como escritor, foi autor das novelas O Verdadeiro Amor (1951), Louco de Amor (1952), Dois Destinos Se Encontram (1952), A Carne Eterna (1953), Um Homem Pacífico (1953), A Casa dos Ciprestes (1953), Arremessado Ao Mundo (1953), Louco Amor (1954), também adaptando a mesma, A Morte do Vagabundo (1954), entre outros.

Radio Nacional

Castro Viana, Rodolfo Mayer, Roberto Faissal, Olga Nobre, Floriano Faissal, e Castro Gonzaga (1954)

Por volta de 1955, ingressa na Rádio Nacional.

Primeiramente, atuou nas novelas Terra do Ódio (1955), Algemas de Seda (1955), A Ponte dos Suspiros (1955), Há Sempre Outra Mulher (1955), A Menina da Rua Nova (1956), A Mancha Vermelha (1956), Condenados (1956), Sublime Redenção (1956), A Menina da Rua Nova (1956), As Mães Não Tem Destino (1956), narração, Desespero (1956), No Silêncio da Noite (1956), Alma Diabólica (1956), A Noite de Meu Destino (1957), O Cavaleiro da Noite (1957), O Cavaleiro da Noite (1957), A Sombra de Um Erro (1957), Alma Diabólica (1957), A Noite do Meu Destino (1957), Dúvida (1957), O Homem Que Perdeu a Alma (1958), É Proibido Fazer Milagres no Corredor (1959), Maria Farrel (1959), Rosa de Fogo (1959), Paixão Amargo (1961), A Senhora de Santa Fé (1961), também escrita por ele, entre outras.

Na parte teatral, esteve nos programas O Drama de Cada Um, em Os Dois Forasteiros (1956). Grande Teatro de Millus, em Sétimo Céu (1955), e O Processo de Mary Dugan (1956). Grande Teatro Vigorelli, em Lar... Feito Céu (1957). Teatro em Casa, em O Rei Se Diverte (1957). Além da peça Rodrigo, Corsário Romântico (1956). Entre outros.

Brandão Filho, Edair Badaró, e Castro Gonzaga (1956)

Em humorismo, esteve no programa Balança, Mas Não Cai (1956-57), ao lado de Brandão Filho, Zezé Macedo, Apolo Correia, Paulo Gracindo, entre outros.

Em séries, teve participações em Jerônimo, o Herói do Sertão (1955), além de atuar na série, Cidade Assassinada (1957).

Graziela Ramalho, Nelma Costa, Arthur Costa Filho, e Castro Gonzaga (1957)

Como escritor, ficou responsável por novelas, como Remorso (1955), Desespero (1956), O Drama de Cada Um: Os Dois Forasteiros (1956), também dirige, Maria Farrel (1959)... também foi diretor de ensaio de Fúria de Homens Sem Deus (1959), e A Segunda Mulher (1960).

Como diretor, comandou as novelas Filhos Sem Pais (1956), e A Família Malcom (1959).

Também foi tradução na emissora, ficando responsável pela peça, Ninguém Caminha Sozinho (1961).

Fica na emissora até 1964.

Rádio Guanabara

Por volta de 1965, já está na Rádio Guanabara.

Na emissora, entre outros, escreveu a novela, Nunca é Tarde (1965).

Radio Nacional

Posteriormente retorna à Radio Nacional, aonde atua em peças, como A Volta Ao Mundo em 80 Dias (1967), e em novelas, como As Mãos de Meu Filho (1967).

Novelas Escritas

Além de escrever novelas para as rádio em que atuava, também realizava essa função para outras emissoras, como fez com as novelas Morreu Um Vagabundo (1956), para a Rádio Bandeirantes, Os Dois Forasteiros (1956), A Senhora de Santa Fé (1961), e Crime em Família (1962), para a Rádio São Paulo, Orgulho Selvagem (1965), Erro do Passado (1965), e Maria Farrel (1965), para a Rádio Gaúcha, Orgulho Selvagem (1965) para a Rádio Clube de Pernambuco, entre outras.

Teatro

Em teatro, atuou inicialmente em Noite Inesquecível (1949), uma peça que reuniu artistas do rádio, cinema, teatro e circo, como Procópio Ferreira, Aimée, Paulo Porto, Floriano Faissal, Albertinho Fortuna, Nuno Roland, Brandão Filho, Simone Morais, Paulo Gonçalves, Norka Smith, e outros, no Teatro Carlos Gomes.

Castro Gonzaga (1956)

Anos depois, foi Anás em A Força do Perdão (1956), de Castro Viana, que foi a versão teatral de Paixão de Cristo, interpretada por rádioatores, como Domício Costa, Álvaro Aguiar, Roberto Faissal, Isis de Oliveira, Cahuê Filho, Milton Rangel, e grande elenco, pela Companhia Nacionalistas.

Posteriormente veio É Proibido Fazer Milagres no Corredor (1959), pela Comédia das Segundas, ao lado de Domício Costa, Carlos Marques, Waldir Fiori, Paulo Gracindo, Lourdes Mayer, Roberto Faissal, e outros, no Teatro Jardel.

No ano seguinte, atuou em O Filho de Deus (1960), pelo Teatro Recreio, com Vicente Celestino, Iara Salles, e Manoel Pera. A peça também foi repetida nos anos de 1961 e 1962.

Posteriormente, atuou em Morre Um Gato na China (1966), de Pedro Bloch, ao lado de Ida Gomes, e Roberto Duval, em Magé, Rio de Janeiro.

No ano seguinte, esteve na peça O Beijo no Asfalto (1967), de Nelson Rodrigues, pelo Grupo Carreta, ao lado de Ruth Gonçalves, Reinaldo Gonzaga, Eleonora Nacarati, Jones Botsman, e grande elenco.

Nos anos de 1970, esteve na peça Testemunha da Acusação (1975), ao lado de Jaime Barcelos, Reinaldo Gonzaga, Miguel Rosenberg, e outros, no Teatro Gláucio Gil.

Castron Gonzaga, Maria Teresa Barroso, e Osmar Prado (1978)

As Primícias (1978), leitura de texto, ao lado de Maria Teresa Barroso, e Osmar Prado, no Teatro do Senai.

Em 1978, fez leitura dramática no auditório do Senai, ao lado de Arthur Costa Filho, Nair Amorim, Juraciara Diácovo, Lourdes Mayer, Clarice Abujamra, e grande elenco.

Castro Gonzaga, Neila Diniz, Humberto Martins, e Hugo Gross (1997)

Nos anos de 1990, esteve na peça A Beata Maria do Egito (1997), de Rachel de Queiroz, com direção de Iris Gomes da Costa, ao lado de Leila Lopes, Hugo Gross, e Humberto Martins, no Teatro dos Grandes Atores, no Shopping Barra Square. Posteriormente Camilo Bevilácqua substitui Humberto Martins.

Além disso, também escreveu peças de teatro, como A Força do Perdão (1957), levada no Teatro Glória. A peça foi também representada em 1958 no Teatro República, e em 1959 no Teatro de Madureira.

Cinema



Castro Gonzaga (1955)

Castro Gonzaga também fez cinema. Fez os filmes Rio 40 Graus (1955), O Primo do Cangaceiro (1955), Essa Gatinha é Minha (1966), Mineirinho Vivo Ou Morto (1967), A Marcha (1972), O Poderoso Machão (1974), Contos Eróticos (1977), O Inferno Começa Aqui (1982), Os Trapalhões na Serra Pelada (1982), Os Heróis Trapalhões - Uma Aventura na Selva (1988), Os Sete Sacramentos de Canudos (1996), e O Detector de Verdades (1997) (Curta-Metragem).

TV Rio

Na TV, ingressou por volta de 1956 na TV Rio.

Castro Gonzaga (1956)

Na emissora, atuou principalmente nos programas teatrais. Entre eles temos o Teatro de Variedades, em peças como Retrato de Mulher (1958), Coração Inquieto (1958), O Homem Que Perdeu o Olfato (1958), Teto Fechado (1958), O Mandarim (1959), Dois Coelhos na Floresta (1959), Inocente Ou Culpado? (1959), Eu Prometo Matar (1959), As Pérolas do Colar (1959), entre outras.

Além disso, esteve nos programas Grande Teatro Ornlex, na peça Do Mundo Nada Se Leva (1958), com direção de Floriano Faissal, e elenco da Rádio Nacional, e Studio A, na peça A Pele de Onagro (1960).

Além disso, também atuou em programas variados, como Vila da Nossa Amizade (1958).

Como escritor, ficou a frente de peças como Um Gaúcho no Rio de Janeiro (1956), entre outras.

TV Continental

Castro Gonzaga (1961)

Em 1961, estava na TV Continental. Entre outros, atuou no Tele-Teatro Brastemp, em peças como O Carteiro do Rei (1961), ao lado de Enio Santos, Domício Costa, Miguel Rosenberg, e outros.

TV Rio

De volta a TV Rio, atua na minissérie Nuvem de Fogo (1963-64).

TV Tupi (RJ)

No ano seguinte, vai para a TV Tupi, aonde atua principalmente no programa Teatro de Comédia, em peças como O Mal de Ser Bom (1965), Sob o Signo de Peixes (1965), Sorte Grande (1965), O Vegetariano (1965), A Noite e o Vento (1965), Da Necessidade de Ser Macaco (1966), Sua Excelência, o Embaixador (1966), entre outras.

TV Excelsior (SP)

Castro Gonzaga (1967)

Por volta de 1966/67, transfere-se para a TV Excelsior, em São Paulo. Na emissora, atuou nas novelas O Tempo e o Vento (1967), O Direito dos Filhos (1968), Os Diabólicos (1968), Alma de Aço (1968), A Menina do Veleiro Azul (1969), Dez Vidas (1969), e Mais Forte Que o Ódio (1970).

TV Tupi (SP)

Simplesmente Maria (1971)

Em 1970, ingressa na TV Tupi de São Paulo, aonde atua nas novelas Simplesmente Maria (1970), Toninho On The Rocks (1970), A Selvagem  (1971), A Revolta dos Anjos (1971), e Hospital (1971).

Rede Globo

No mesmo ano, retorna ao Rio e vai para a TV Globo, na novela Meu Pedacinho de Chão (1971-72)

TV Tupi (SP)

Em 1972, voltou a TV Tupi, atuando nas novelas Bel-Ami (1972), e A Revolta dos Anjos (1972).

Rede Globo

De volta a Rede Globo em 1973, atua na novela O Semideus (1973), seguida de Corrida do Ouro (1974), Gabriela (1975), O Grito (1975), Saramandaia (1976), À Sombra dos Laranjais (1977), Locomotivas (1977), Sinhá Flô (1977), Gina (1978), Memórias de Amor (1979), Os Gigantes (1979), Marina (1980), Ciranda de Pedra (1981), O Homem Proibido (1982), Paraíso (1982), Pão Pão, Beijo Beijo (1983), Viva a Vida (1983), Voltei Pra Você (1983-84).

Castro Gonzaga em Saramandaia (1976)

Uma das novelas aonde mais foi famoso foi Saramandaia em 1976, no qual interpretava o papel de Coronel Zico Rosado, que quando se irritava soltava formigas pelo nariz.

Castro Gonzaga (1983)

Além das novelas, participa de algumas séries da emissora, como A Grande Família (1975), Caso Verdade, nos episódios Um Peixe Fora D'Água (1982), Irmã Dulce (1982), Luz do Mundo (1984), e Sitio do Picapau Amarelo nos episódios Os Piratas do Capitão Gancho (1978), e O Outro Lado da Lua (1978).

Castro Gonzaga, Agildo Ribeiro, Renata Fronzi, Nick Nicola, Berta Loran e Costinha (1983)

Em minisséries, atua em Grande Sertão: Veredas (1985).

Também atuou em um filme produzido para a emissora, chamado Mulher (1974).

Rede Manchete

Em 1986 foi convidado pela Rede Manchete para trabalhar na novela Dona Beija (1986).

Rede Globo

No mesmo ano, atua na minissérie da Rede Globo, Memórias de Um Gigolô (1986).

Rede Manchete

No mesmo ano também participa da novela Mania de Querer (1986-87), na Rede Manchete.

Rede Globo

De volta a Rede Globo, atua na novela Mandala (1987).

TV Bandeirantes

Em breve passagem por São Paulo, atua na minissérie da TV Bandeirantes, Chapadão do Bugre (1987-88).

Rede Globo

De volta ao Rio em 1988, retorna a Rede Globo, ficando na emissora até o fim de sua vida.

Castro Gonzaga em Bang Bang (2006)

Entre as novelas que atuou na emissora na época, estão Vida Nova (1988-89), Pacto de Sangue (1989), Rainha da Sucata (1990), Felicidade (1991), Meu Bem, Meu Mal (1991), Salomé (1991), Felicidade (1991), Despedida de Solteiro (1992), Fera Ferida (1994), Sonho Meu (1994), A Próxima Vítima (1995), Quem é Você? (1996), Malhação (1996), Caminho do Vento (1996), Por Amor (1997-98), O Cravo e a Rosa (2000), Kubanacan (2003), Da Cor do Pecado (2004), Senhora do Destino (2004-05), Alma Gêmea (2005), Bang Bang (2005-06), fazendo Sigmund Freud, Cobras & Lagartos (2006), e O Profeta (2006-07).

Castro Gonzaga em Anos Rebeldes (1992)

Em minisséries, esteve em República (1989), fazendo Deodoro da Fonseca, Teresa Batista (1992), Anos Rebeldes (1992), e Labirinto (1998).

Miriam Pires, Renata Sorrah, e Castro Gonzaga (1993)

Em séries, participou de Caso Especial, no episódio O Caso do Martelo (1991), Você Decide, nos episódios, Faça a Coisa Certa (1993), O Chamado da Glória (1994), Paixão Bandida (1995), Meu Pai (1997), Robin Hood Aposentado (1999), O Terceiro Homem (1999), além de Brava Gente (2001).

Em humorismo, esteve em Os Trapalhões, no episódio Trapa Hotel (1990).

Em programas diversos, esteve em Terça Nobre, atuando no episódio O Coronel e o Lobisomem (1994).

Discos

Em discos, fez parte do LP, História do Brasil - Vol. II (1960), fazendo D. João III, ao lado de rádioatores da Rádio Nacional.

Além disso, participa dos Disquinhos Disney produzidos por Braguinha de 1961 em diante.

Homenagem

Em 2002, o programa Vídeo Show prestou uma homenagem a Castro em seu aniversário, fazendo uma montagem dos grandes trabalhos do artista.

Homenagem Feita Por Jean Carlos (2016)

A Casa de Cultura Elbe de Holanda, no Jardim Guanabara, Ilha do Governador, bairro aonde Castro morava, deu o nome de uma de suas salas de Castro Gonzaga em homenagem ao ator.

Curiosidades

Em 17 de Julho de 1995, houve uma explosão de munições da Marinha na Ilha do Boqueirão, próximo a Ilha do Governador, que afetou 200 residências na Ilha. Uma dessas casas foi a de Castro Gonzaga, que sofreu abalos internos. Sua casa se localizava na Cacuia, centro da Ilha, uma região mais distante do ocorrido. Houveram casas que racharam, e batidas de carros nas ruas pelo pânico vivido pelos moradores.

Vida Pessoal

Castro era descendente direto da Marquesa de Santos. Castro tinha uma irmã chamada Célia de Castro que era radioatriz.

Castro teve 2 filhos, Reinaldo, nascido em 1948, e seu outro filho, nascido em 1960. Seu filho Reinaldo Gonzaga, também foi ator como o pai, além de cantor, como também trabalhou com dublagem, tendo atuado por alguns anos no final dos anos de 1960 na profissão.

Castro morava na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio de Janeiro.

Dublagem

Na dublagem, ingressou no início dos anos de 1960, passando pelos estúdios Riosom, CineCastro e Dublasom Guanabara.

Em meados dos anos de 1960, vai para São Paulo trabalhar na TV Excelsior e Tupi. Há até hoje dúvidas se teria dublado no estúdios de dublagem paulista, AIC, pois há personagens identificados entre 1967/68 com semelhança com sua voz. Dubladores que atuavam no estúdio na ocasião disseram nunca terem visto Castro por lá. Esse caso permanece como um mistério.

Nos anos de 1970, retorna ao Rio e retorna a CineCastro, tendo feito muitos trabalhos também quando a empresa se transforma em Televox. Na ocasião, também ingressa na Tecnisom, fazendo principalmente trabalhos para a Disney. Na empresa Telecine, ingressa logo em seu início, tendo sido, posteriormente, locutor oficial na mesma por volta de final de 1970, começo de 1980.

Castro nunca fui um dublador muito presente. Fazia eventualmente um trabalho ou outro, mas foi por volta de 1980 que se afastou por completo da dublagem, para se dedicar única e exclusivamente à dramaturgia.

George Darling

Entre seus trabalhos na dublagem, estão principalmente os desenhos animados. Esteve em vários longas-metragens Disney nos anos de 1960. Mesmo estando morando em São Paulo, ia até o Rio dublá-los.

Coronel Hathi

Entre seus personagens, estão Sr. Darling em As Aventuras de Peter Pan, Coronel Hathi, e Buzzie em Mogli - O Menino Lobo, Stromboli em Pinóquio, Tony em A Dama e o Vagabundo, uma das vozes do Popeye nas dublagens da CineCastro do personagem, Toro em Toro e Pancho, Cobrinha Azul na série de mesmo nome, entre outros.

Raymond Massey

Em filmes, foi a voz de Dean Jagger em Uma Cruz à Beira do Abismo, Kurt Katch em A Máscara de Dimitrios, Charles Bickford em Belinda, Raymond Massey em Este Mundo é um Hospício, entre outros. Além disso, também já deu voz a Burt Lancaster.

Em séries, não teve quase atuação nenhuma. Em 1977, com a greve de dubladores, Luís Motta sai do personagem Tenente Theo Kojak em Kojak, e a Globo coloca Castro em seu lugar. Com o apelo dos fãs, a emissora traz de volta Luís Motta ao personagem. Castro também foi o personagem Satan Z em Ultraseven.

Castro sofria de problemas renais e pulmonares, e por decorrência do problema renal, foi internado em Setembro de 2007 no Hospital de Petrópolis na Região Serrana do Rio. Infelizmente veio a falecer no dia 2 de Outubro de 2007.

Trabalhos:

Filmes

- Dr. Van Der Mal (Dean Jagger) em Uma Cruz à Beira do Abismo
- Coronel Haki (Kurt Katch) em A Máscara de Dimitrios
- Black MacDonald (Charles Bickford) em Belinda
- Jonathan Brewster (Raymond Massey) em Este Mundo é um Hospício
- Grandpere (Vladimir Sokoloff) em Passagem Para Marselha
- Verus (Franco Balducci) em O Filho de Spartacus
- Goobie (Napoleon Simpson) em A Praga da Múmia
- Sr. Belden (John Doucette) em No Paraíso do Havaí
- Bispo (Finlay Currie) em Tentação
- Velho Babá (Fortunio Bonanova) em Ali Babá e Os Quarenta Ladrões
- Padre José / Edward Forbes (Eduard Franz) em Cavalgada Para o Inferno
- Bannon (John McIntire) em O Morro da Traição

Séries

- Satan Z (não creditado) em Ultraseven
- Tenente Theo Kojak (Telly Savalas) (segunda voz) em Kojak

Desenhos

- Sr. George Darling em As Aventuras de Peter Pan (Longa-Metragem)
- Coronel Hathi, e Buzzie em Mogli - O Menino Lobo (Longa-Metragem)
- Stromboli em Pinóquio (Longa-Metragem) (2ª Dublagem)
- Tony em A Dama e o Vagabundo (Longa-Metragem) (1ª Dublagem)
- Popeye em Popeye (CineCastro)
- Treinador Osamu Noguchi em Sawamu, o Demolidor
- Toro em Toro e Pancho
- Cobrinha Azul (primeira voz) em Cobrinha Azul
- Queixinho em Os Apuros de Penélope Charmosa (1ª Dublagem)
- Ben Grinn / A Coisa (primeira voz) em Os Quatro Fantásticos

Fontes: Correio da Manhã, Revista do Rádio, Acervo Pessoal, Jornal de Notícias, O Cruzeiro, Diário da Noite, A Noite, Diário de Notícias, Jornal do Brasil, A Scena Muda, O Governador, O Jornal, A Manhã, Jornal das Moças, Flan: O Jornal da Semana, Jornal do Brasil, Augusto Bisson, Izaias Correia, Correio Paulistano, Dublanet, Acervo Pessoal, IMDB, Dramaturgia Brasileira In Memoriam, Jornal dos Sports, Jornal do Dia, Diário de Pernambuco, Cinelândia, Radiolândia, Correio Braziliense, Prefeitura de Caxias do Sul, Correio de Notícias, Tribuna da Imprensa, Denilson Monteiro, História da Dublagem, A Era do Rádio Teatro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página