quinta-feira, 12 de março de 2020

Líbero Miguel


Arquivo de Som:

Oninin Dokusai (Noriaki Kaneda) (primeira voz) em Jiraiya, O Incrível Ninja




Biografia:

Líbero Miguel foi um dublador Paulistano.

Líbero Miguel Giachetta nasceu em 4 de Maio de 1932 em São Paulo, Capital.
 
Teatro

Líbero começou a carreira artística no Teatro. Esteve, em 1956, na Companhia Lydia Lícia - Sérgio Cardoso.

Entre as peças que fez na companhia, estão, Hamlet (1956), no papel de Horacio, ao lado de Nídia Lícia, Carlos Zara, e Raimundo Duprat, O Casamento Suspeito (1957), com Vanda Kosmo, Rogério Márcico, e Fúlvio Stefanini, e Oração Para Uma Negra (1959).

Na peça de sua estréia, Hamlet, Líbero organizou uma exposição sobre o tema no dia de inauguração da peça, com o mesmo nome da mesma, também no Teatro Bela Vista.

Anos mais tarde, se tornou coordenador do Festival de Teatro Estudantil (1966), no Teatro Bela Vista.

TV Tupi
 
Na TV, começou a carreira como ator, participando do TV de Vanguarda em 1956. No programa, entre outros, atuou na peça Elizabeth da Inglaterra (1957), com Lia de Aguiar e grande elenco.

Líbero Miguel (1958)

Líbero também atuou no programa Grande Teatro Três Leões, em peças como Salomé (1956), ao lado de Rita Cléos. Além do programa Teatro da Juventude, na peça O Pote Mágica (1957).

Também esteve em várias peças religiosas. Foi Jesus em Paixão de Cristo (1958), São Francisco em Porta da Morte (1958), e novamente Jesus em A Tragédia do Gólgota (1958).

Em novelas, atuou apenas em O Pequeno Lorde (1957).

Edi Cerri e Líbero Miguel (1958)

Além de atuar, Líbero adaptou e produziu peças na emissora. Adaptou ao lado de Ênio Gonçalves o programa Lendas de Malba Tahan (1957), e produziu a peça Estrela Mágica (1958), com Deborah Duarte ainda criança, entre outros.

TV Paulista
 
Em 1958 vai para a TV Paulista, aonde atua principalmente como diretor, produtor e adaptador. Seu principal produto foram as novelas.

Líbero dirigiu novelas David Copperfield (1958), Os Irmãos Dombey (1959), Princesinha (1959), Oliver Twist (1959), A Herdeira de Ferleac (1961), As Grandes Esperanças (1961), também produziu, Mateus Falcone (1961), A Pequena Lady (1962), O Usurário (1962), também produziu a novela, O Velho Scrooge (1963), A Loja de Antiguidades (1963), O Tronco do Ipê (1963), Quatro Irmãs (1964), O Conde de Suffolk (1964), também produziu, Romance de Bernadete (1964), Eu Amo Esse Homem (1964), Tortura D'Alma (1964), Paixão de Outono (1965), e Ilusões Perdidas (1965), sendo essa última já sendo produzida para a Rede Globo, emissora que comprara a TV Paulista.

A maioria das novelas que dirigiu na emissora, foram escritas por Enia Petri, muitas delas adaptadas de peças de Charles Dickens.

Em séries, produziu História de Um Avô (1960), feita em parceria com Enia Petri.

Produziu também peças para o programa Tele-Teatro Mesbla (1961), como Quarto Azul (1961), com Ivete Jayme no elenco, e Crepúsculo de Prata (1961).

Outros programas de teatro vieram, e Líbero produziu peças para todos. Como o Grande Teatro OVC, com a peça O Inspetor (1961), com José Castelar no elenco, e o Tele Teatro Zogbi, com a peça Estrelinha (1962).

Em 1963, tinha como assistente na emissora, o ator Marcelo Gastaldi.

Como diretor de peças, dirigiu Justiça Selvagem (1963).

Em 1964, teve um programa próprio, chamado Programa Líbero Miguel (1964), transmitido semanalmente as 7 da noite.

Libero também foi conhecido como revelador de artistas na emissora. Muitas crianças e adolescentes que mais tarde se tornariam famosos, chegaram por suas mãos, como Osmar Prado, Márcia Cardeal, Ernesta Maria Marchi (essa vencendo um concurso de Líbero, entre 347 candidatas), Sueli Ferraz, Márcio Trunkel, Mara Rizzo, entre outras. Fazia os concursos para novelas que iria estrelas.

Leonor Pacheco e Líbero Miguel (1959)

Como ator, Líbero também teve algumas participações, principalmente em novelas. Entre elas, temos
Os Irmãos Dombey (1959), produzindo e atuando, ao lado de Diana Morel e Márcia Cardeal, O Usurário (1962), As Quatro Irmãs (1963), e A Loja de Antiguidades (1963).

Também participou de teleteatros na emissora, como no programa Teatro de Bolso, na peça Aqueles Olhos Estranhos (1959), aonde atuou como narrador. No programa Teleteatro Mesbla, atuando em Quarto Azul (1961), e Véu Negro (1961). No programa Teledrama, atuando em O Quinto Mandamento (1963). E em peças avulsas, como Os Óculos da Verdade (1959), e O Quinto Mandamento (1963). Entre outros.

Rede Globo

Em 1965, quando a emissora comprará a TV Paulista e lançara sua primeira novela, Ilusões Perdidas (1965), Líbero é convidado a atuar na produção, dirigindo a mesma ao lado de Sérgio Brito. Na ocasião, leva um grande elenco de atores e atrizes de São Paulo para atuar na trama.

Após o término da novela, a maioria dos atores paulistas ingressaram em outras emissoras em São Paulo, tendo alguns deles se transferido para o Rio de Janeiro, permanecendo na Globo, e outros abandonaram a carreira televisiva.

TV Cultura
 
Em 1970, aconteceu um fato curioso. Líbero tinha uma idéia antiga de criar novelas com histórias do Brasil, mas nunca nenhuma emissora se interessou nisso. Foi aí que Líbero foi até o Presidente da República, e expôs a idéia. Imediatamente a idéia teve apoio do Palácio do Planalto, e começou a ser realizada pela TV Cultura de São Paulo. Na ocasião, o Presidente da República era Emílio Médici.
 
Esteve a seu lado nesse projeto, atores como Renato Master, Marcelo Gastaldi, Francisco José, Jorge Pires, Edmundo Lopes, Elaine Cristina, Mauro Mendonça, e grande elenco. Em suas pequenas novelas, Líbero falou de tudo, Revolução de 1930, Segunda Guerra Mundial, Independência do Brasil, Descoberta do Brasil, Abolição da Escravatura, Os Bandeirantes, entre outros.
 
Os textos ficaram a cargo da novelista de rádio, Ivani Ribeiro, famosa pelas novelas escritas para a Rádio São Paulo. Além disso, os dados históricos foram fornecidos por três professores, que tiveram como foco pesquisas em cima de dados desconhecidos do grande público.
 
TV Tupi

Em 22 de Julho de 1974, estreava na TV Tupi o programa infantil Gente Inocente (1974-75), com apresentação de Lúcio Mauro, e produção de Líbero Miguel. O programa havia feito sucesso na TV Excelsior, e agora começava repaginado na Tupi.
 
No programa de estréia, entre vários talentos, Líbero trouxe sua colega de dublagem e cinema, Cecília Lemes, aprensentando-a como revelação mirim no programa.

Cinema

No cinema, dirigiu os filmes Quando As Mulheres Paqueram (1972), Ipanema Toda Nua (1972), e Os Insaciados (1981).

Dirigiu o filme Regina e o Dragão de Ouro (1974), ao lado de vários amigos dubladores, como Carlos Seidl, Marcelo Gastaldi, Raimundo Duprat, Renato Restier, Cecília Lemes, e grande elenco.

Foi um filme de bonecos rodado no Rio de Janeiro e em São Paulo, e que também teve takes rodados em Tokyo, Osaka, Kyoto, e no Vulcão Asso no Japão.

O filme foi produzido pelo Teatro Experimental de Bonecos Vivos, do Instituto Tokuchika Miki, de São Paulo.
 
Além das direções, também escreveu alguns filems, como Ipanema Toda Nua (1971), Regina e o Dragão de Ouro (1974), Amélia, Mulher de Verdade (1981), e Os Insaciados (1981).

Vida Pessoal

Em sua vida pessoal, casou-se no final dos anos de 1950, com a colega e escritora da TV Paulista, Enia Petri, com quem teve em 1959, Marcos Miguel, e em 1961, Márcia Lídia.

Marcos participa com apenas 5 meses da novela produzida por seu pai, Os Irmãos Dombey (1959), na TV Paulista. Já sua irmã, participa com 1 ano de idade no antepenúltimo capítulo da novela Grandes Esperanças (1962), ao lado do irmão que já tinha 3 anos de idade.

No final dos anos de 1960, casou-se novamente, agora com a atriz Nair Silva, com quem posteriormente trabalhou em dublagem.

Dublagem

Na dublagem, Líbero entrou em meado dos anos de 1960 na AIC. No início dos anos de 1970, também dublou na CineCastro paulista. Permaneceu na AIC até seu encerramento e reabertura como BKS.
 
Nos anos de 1980 continuou na BKS e ingressou na Álamo, aonde nesta última, se tornou diretor de dublagem, sendo um dos mais importantes da casa.

Entre suas direções ficaram marcadas principalmente séries de live-action japonês, como Comando Estelar Flashman, Esquadrão Relâmpago Changeman, a primeira direção de O Fantástico Jaspion, a primeira direção de Jiraiya, O Incrível Ninja, entre outros.

Spencer Tracy

Como dublador, fez de tudo, filmes, desenhos, mas começaremos pelos filmes. Entre os atores que dublou, estão Spencer Tracy em A Costela de Adão, Gregory Peck em A Profecia, Louis Gossett Jr. em Os Aventureiros do Fogo, Henry Fonda em O Homem Com a Morte Nos Olhos, Barry Sullivan em Terremoto, Peter Sellers em Lolita, James Mason em Cruz de Ferro, Robert Duvall em Joe, Lyle Bettger em Sem Lei e Sem Alma, Charles Laughton na 1ª dublagem de O Grande Motim (1935), entre outros.

Doutor Zero

Em desenhos, fez Doutor Zero em Fantomas - O Guerreiro da Justiça, Narrador da Tourada, Vendedor de Refrescos e Árbitro no episódio Baseball Maluco, Narrador da Limosine do Ivan Awfulitch e Guarda no episódio O Acrobata Maluco em Pica-Pau, Pássaro Locutor, Corvo e a segunda voz de Milo em Andy Panda, General no episódio Os Lobos do Mar e a segunda voz do Albatroz Alfo em Picolino, Mensageiro do Rei em Ratinhos Preguiçosos (Walter Lantz), Fantasma Negro na primeira versão de Cyborg 009, Comandante Fred em Comando Dolbuck, entre outros.

Oninin Dokusai

Em séries japonesas, foi Lion Man Branco interpretado por Kanehiro Nomiyama em Lion Man, Imperador Monarca La Deus dublado originalmente por Uncho Ishizuka em Comando Estelar Flashman, a voz masculina de Shima dublado originalmente por Michirou Iida em Esquadrão Relâmpago Changeman, Satan Goss dublado originalmente por Shouzou Iizuka e Ikki interpretado por Toshimichi Takahashi em O Fantástico Jaspion, a primeira voz de Oninin Dokusai interpretado por Noriaki Kaneda em Jiraiya, O Incrível Ninja, entre outros.

Líbero Miguel veio a falecer no dia 28 de Outubro de 1989, vítima de um aneurisma cerebral. O seu último trabalho foi como o Ninja Dokussai, no qual foi substituído por Gilberto Baroli, que também o substituiu na direção da série.

Trabalhos:

Filmes

- Spencer Tracy em A Costela de Adão, e São Francisco - A Cidade do Pecado
- Ike Clanton (Lyle Bettger) em Sem Lei e Sem Alma
- Coronel Glover (Jonathan Terry) em A Volta dos Mortos Vivos
- Promotor Mitch Lodwick (Brooks West) em Anatomia de Um Crime
- Xerife Joe Pryor (Dick Miller) em Capone - O Gângster
- Atraxon (Daniel Massey) em Os Titãs Voltam à Luta na Atlântida
- Dr. William Stockle (Barry Sullivan) em Terremoto
- Clare Quilty (Peter Sellers) em Lolita
- Coronel Oberst Brandt (James Mason) em Cruz de Ferro
- Frank Harlan (Robert Duvall) em Joe Kidd
- David Warfield (Sam Wanamaker) em Superman IV: Em Busca da Paz
- Robert Thorn (Gregory Peck) em A Profecia
- Leo Porter (Louis Gossett Jr.) em Os Aventureiros do Fogo
- Prefeito Will Blue (Henry Fonda) em O Homem Com a Morte Nos Olhos
- Kid Twist (Harold Gould) em Golpe de Mestre
- Bligh (Charles Laughton) em O Grande Motim (1935) (1ª Dublagem)

Séries

- Lion Man Branco (Kanehiro Nomiyama) em Lion Man
- Imperador Monarca La Deus (voz) (Uncho Ishizuka) em Comando Estelar Flashman
- Shima (voz masculina) (voz) (Michirou Iida) em Esquadrão Relâmpago Changeman
- Satan Goss (voz) (Shouzou Iizuka) e Ikki (Toshimichi Takahashi) em O Fantástico Jaspion
- Oninin Dokusai (Noriaki Kaneda) (primeira voz) em Jiraiya, O Incrível Ninja

Desenhos

- Dr. Zero em Fantomas - O Guerreiro da Justiça
- Narrador da Tourada, Vendedor de Refrescos e Árbitro em Baseball Maluco, Narrador da Limosine do Ivan Awfulitch e Guarda em O Acrobata Maluco em Pica-Pau
- Pássaro Locutor, Corvo e a segunda voz do Milo em Andy Panda
- General em Os Lobos do Mar e a segunda voz do Albatroz Alfo em Picolino
- Mensageiro do Rei em Ratinhos Preguiçosos (Walter Lantz)
- Comandante Fred em Comando Dolbuck
- Fantasma Negro em Cyborg 009 (1966)

Trabalhos de Direção de Dublagem

Filmes

- Superman IV - Em Busca da Paz

Séries

- Comando Estelar Flashman
- O Fantástico Jaspion (1º Diretor)
- Esquadrão Relâmpago Changeman
- Jiraiya - O Incrível Ninja (1º Diretor)

Fontes: Ivan Betarelli, Revista do Rádio, Dublanet, Cruzeiro, Correio Paulistano, Radiolândia, Diário do Paraná, Diário de Notícias.

2 comentários:

  1. Ola... Meu nome é Marcia Lidia Giachetta. Tenho 59 anos e sou uma das filhas de Libero Miguel Giachetta.Venho por meio desta pedir que corrijam algumas coisas na história de meu pai, como por exemplo a data de nascimento dele... Não é 4 de maio e sim 26 de setembro de 1932. Antes de ser casado com Nair Silva, ele foi casado com minha mãe, Enia Petri (falecida em 10 de fevereiro de 1989), que foi escritora da primeira novela da extinta TV Paulista, atual Globo: Ilusões Perdidas. Morreu em 26 de Outubro de 1989 e deixou quatro filhos: Mara, Marcus (falecido), Marcia (eu) e Marta. E netos: Paolo, Camilla, Apolo, Talles, Robson e Pedro. Hoje em dia ele teria mais 2 netos: Matheus e Vinicius, que nasceram em 1999, dez anos após seu falecimento.Apenas gostaria que toda verdade constasse em sua biografia. Obrigada pela atenção!

    ResponderExcluir
  2. Eu marina.paula trabalhei com seu pai Libero Miguel na Tv Bandeirantes,como secretaria do departamento infanto juvenil no qual ele era diretor, conheci sua mãe Enia Petri gostava muito deles, entrei na Band na inauguração no Morumbi,estive visitando ele posteriormente no Sumaré , ele era diretor de uma dubladora com o nome Ódio, depois perdi o contato com ele, tenho fotos nossas comemorando o aniversário dele, fizemos uma surpresa demos um relógio , gostava muito dele nunca esqueci grande diretor, e um ser humano maravilhoso, na história dele não está documentado essa época, obrigada

    ResponderExcluir

Total de visualizações de página